sábado, 14 de julho de 2012

JUSTIÇA ENQUADRA MALUF

Maluf vai a julgamento; US$ 22 milhões podem ser repatriados

De acordo com a imprensa nacional, 
o Ministério Público Federal denunciou
criminalmente oito executivos  que 
colaboraram com Maluf no desvio da bolada 

FONTE - PORTAL VERMELHO

A corte do paraíso fiscal Jersey, no Canal da Mancha, rejeitou todos os recursos e apelos acionados pela defesa do ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf, e irá julgar, na apróxima semana, o mérito da ação para reaver US$ 22 milhões. A Justiça de Jersey abre caminho legal para uma possível condenação de Maluf e a repatriação do dinheiro desviado pelo político ao Brasil. 

Jersey já havia bloqueado o dinheiro em contas que seriam de Maluf e de empresas ligadas a ele. Agora, decidirá se o valor será devolvido ao Tesouro paulistano. A Prefeitura alega que o dinheiro foi desviado de obras públicas durante a gestão Maluf (1993-1996).

Num documento de 90 páginas, a corte afastou todas as ameaças de novo adiamento da decisão. Rejeitou recursos procedimentais apresentados pela defesa e indicou que, no dia 20, poderia anunciar uma decisão. Durante anos, a defesa do ex-prefeito usou de vários instrumentos legais para frear o processo, tanto na Suíça quanto em Jersey.

Na Suíça, uma decisão de 2003 do Tribunal Superior rejeitou o pedido da defesa de que os documentos sobre as movimentações bancárias envolvendo Maluf e seus familiares fossem divulgados e transmitidos ao Brasil. Mas a ação conseguiu atrasar o processo. Em 2005, a defesa explorou o fato de que os extratos de Maluf foram usados para processá-lo no Brasil por evasão fiscal - e, assim, conseguiu mais uma vez bloquear o processo. Pela lei suíça, a cooperação apenas poderia ocorrer para questões de lavagem de dinheiro.

Em Jersey, a própria corte já avaliou em 2006 e 2007 que Maluf estaria se utilizando de questões procedimentais para frear o processo. Num documento daquele período, os juízes não disfarçam a irritação com o comportamento da defesa do brasileiro.

De acordo com a imprensa nacional, o Ministério Público Federal denunciou criminalmente oito executivos ligados ou que já pertenceram aos quadros das empreiteiras Mendes Júnior e OAS sob a acusação de desvio de dinheiro da obra da Avenida Água Espraiada (hoje Jornalista Roberto Marinho), na zona sul, durante a gestão do ex-prefeito. Segundo a denúncia, parte dos recursos foi enviada para contas em paraísos fiscais em favor de Maluf. Os executivos são acusados de peculato e lavagem de dinheiro.

- Com informações do Jornal Estado de São Paulo - 

Nenhum comentário:

Postar um comentário