sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

A INTERVENÇÃO, A MÍDIA E O POBRE TRABALHADOR


A manipulação midiática na política em tempo de golpe

O governo golpista não tem força moral
pra governar, e diante da impopularidade
os governantes golpistas chamam
os militares e o povo espera eleições

WALQUER CARNEIRO

Intervenção é a palavra de ordem hoje no Brasil. Mais de 60% dos brasileiros concordam com uma intervenção, numa clara demonstração de que a maioria da população não consegue se auto conduzir por sí mesma, de acordo com um código de ética e moral,  e de certo modo clama por um aio que lhes submetam e aponte para onde a população tem que ir e o que fazer.  Agora há que se perguntar:  por quê chegou-se nessa condição?

O general que está no comando da tropa de intervenção no estado do Rio de Janeiro afirmou que a situação no estado não é tão alarmante, e que é a mídia que potencializa uma sensação de insegurança. “É muita mídia.” Disse o general ao ser perguntado pelo repórter qual a avaliação dele sobre a violência no Rio de Janeiro.

Recentemente tivemos uma ruptura democrática com o golpe no  governo do PT com deposição de Dilma sem que ela tivesse cometido crime alguma que levasse prejuízo à nação ou a segurança nacional.  Essa deposição se deu única e exclusivamente pela manipulação midiática de manifestações da classe média dando como justificativa a corrupção, praticada em grande parte por essa mesma classe média,  como recentemente  foram vistos  casos emblemáticos de malas de dinheiro sendo transpostas pela madrugadas, a açougueiros corrompendo toda a república em conluio com os golpistas,  enquanto filho da juíza é pego em atividade de tráfico de  drogas; um avião sai cheio de drogas da fazenda do ministro da agricultura;  foram esses que lideraram os movimentos dos amarelos em seus locais de  atuação Brasil à fora.   

Com o golpe quebrou-se uma clausula da democracia,  que é o respeito à vontade de uma maioria numa eleição; os golpistas  assumiram  por vias indiretas um governo ilegítimo   impondo  para  mais de 54 milhões de eleitores um projeto político e de governo que essa maioria não  escolheu  no voto. E isso causou contrariedade numa grande parte de população que votou na Dilma e  sentem-se lesados;  e por isso um governo ilegítimo não terá autoridade para governar e assim precisará do uso de força bruta para conter a população, o que só é possível a partir do uso do exército,  e por isso o teste da intervenção militar  no Rio de Janeiro.

A intervenção militar poder se transformar em armadilha,  pois nesse contexto abre-se uma contradição, por que se por uma lado a mídia consegue imputar um clima sensacionalista de insegurança levando a população desejar uma intervenção militar,  por outro lado essa mesma  população espera pelas eleições diretas,  uns para votarem em Lula como revanche do golpe, esses que beiram os 80 milhões,  e outros mais  para votarem em outros   candidatos,  todos,  que caíram na preferencia popular, ao tempo que o PT e Lula crescem na mesma proporção que os candidatos golpistas caem, sendo que o PT tem  um  candidato a presidente que  vence em qualquer cenário no primeiro turno, e não sendo candidato seu partido elege um candidato.  
   
O  Consórcio Golpista Temer/PSDB/DEM está aproveitando o sensacionalismo midiático para criar uma sensação de insegurança nacional via Rede Globo para justifica uma intervenção militar nacional, na tentativa de impedir uma eleição este ano no Brasil.  O general espertamente  apontou pra mídia que manipula a opinião,  com certeza, ele  tem dados estatísticos sobre a violência no Brasil, e percebe que o governo golpista tá querendo usar as forças armadas para propaganda politica aproveitando o sensacionalismo da mídia. O general sacou logo a jogada, ainda mais que surpreendentemente esse ano de 2018 foi um ano em que carnaval foi menos violento em todo Brasil.  

Mas a história nos mostra que existe a  tentação por intervenção.   Só resta saber se o general irá se  agradar da experiência da intervenção, desconsiderando também 54 milhões de votos; o general conhece as estatísticas;   por que  o judiciário já mostrou, quando não desaprovou o golpe contra Dilma,  que está contra os 54 milhões que esperam a eleição para votarem   naquele candidato que mais lhes agradarem, esses que estão num mato sem cachorro se o general não tiver compaixão, pois existe a possibilidade  de eleger Bolsonaro; se um representante das forças armadas for eleito de forma justa numa eleição livre com certeza quem governará serão os militares. Mas para isso terão que desabilitar o Lula e anular completamente o PT.  

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

IDEOLOGIA E GÊNERO

Desfanatizando a ideologia e explicando o gênero 

A mente dos seres humanos é 
programada para formular conceitos 
na construção da sociedade que é 
montada sobre ideologias e gêneros

WALQUER CARNEIRO 


O que é gênero? É tudo aquilo que se assemelha, com características que se aproximam como iguais a partir de particularidades.

O que é ideologia? É um conjunto de ideias que define uma condição social a um determinado grupo de pessoas com seus pensamentos, desejos, metas em suas variadas forma numa coletividade. 

O conceito de gênero, de maneira geral, nasce a partir de observações feitas por seres humanos não apenas relativo a pessoas, mas a tudo o que existe fazendo parte da construção sociológica e biológica dos seres vivos, incluindo os seres humano, de cuja mente emana todos os conceitos. 

Masculino e feminino são gêneros humanos naturais; viado e lésbica são gênero humanos advindo de disfunções psico genéticas e comportamentais humanas e que hoje, na pós modernidade, os responsáveis pela construção da nova sociedade procuram encaixar como uma nova modalidade de gênero, não natural, mas construídas a partir de ideias e de um comportamento onde homens se sentem mulheres e mulheres sentem homens.

domingo, 22 de outubro de 2017

FARINHA DO MESMO SACO

A Classe média gritou contra a corrupção votando no Aécio

Uma elite desumanizada, uma
classe média sem memória histórica
e ávida, um povo sem educação
e baixo senso cognitivo


WALQUER CARNEIRO 


Em todas as democracias do mundo a politica e eleições são bancadas com dinheiro de propina, de desvio de recursos públicos e financiamento de empresários e do crime organizado, mas no Brasil a classe média não sabe disso,  e vendo que não há provas contra Lula o coxinha grita alucinado: “É tudo farinha do mesmo saco..!!!”, furioso  por que quanto mais procuram crimes de Lula mais encontram crimes do PSDB e seus Tucanos amestrados.

“Então só restam  os militares, um aio para a nação, é isso?”,  pergunto eu ao coxinha.

Quando você  grita farinha do mesmo saco você  está numa manobra de tirar seu corpo fora das responsabilidades pela situação criada por você quando gritou fora Dilma e Luladrão e por isso votou no Aécio, esse mesmo que foi flagrado  na prática da corrupção de todas as formas (até mesmo cogitou matar o primo, lembra?)
Não diga farinha do mesmo saco e assuma a sua responsabilidade de colaborar para a reconstrução da nação com ideias propositivas com sempre fez o PT.

Não é tudo farinha do mesmo saco não..!!! Aécio é farinha do saco de coca, e Lula é farinha do saco de macaxeira.

E o pior é que agora estão aparecendo os furos no “imposto de renda” do Bolsonaro; enquanto o MBL grita seu falso moralismo apontando seu dedo lambuzado de merda para um museu do homem pelado para desviar o foco do fato de Temer, junto com o PSDB e DEM,   estar, destruindo direitos históricos dos trabalhadores e vendendo a nação feito um mascate de quinta categoria. Tudo isso por você, coxinha sem noção, gritou fora Dilma e Lula ladrão...!

Mas só no Brasil é que um bando de falsos moralistas donos da mídia e ocupantes do poder judiciário membros da alta elite brasileira usam seu poder, na figura de um oportunista como Bolsonaro, para tentar inculcar na população que apenas um partido é responsável pela corrupção, e que essa está restrita ao meio politico, enquanto na verdade é a alta elite econômica  nacional que organiza e comanda todo o aparato da rede de corrupção. A corrupção tem que ser combatida certamente, mas não à custa da destruição de uma nação, de uma ideologia e de um partido. O falso moralismo é alimento para florescer o fascismo.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

TERRORISMO PSICOLÓGICO

Politica não é religião e a pauta de esquerda é o estabelecimento da justiça

Quando a difamação
pura e simples passa ser
a base do argumento não é possível
estabelecer um dialogo coerente


WALQUER CARNEIRO

O bolsominion anti Lula me  disse, ali num grupo do Facebook,  que sendo eu um cristão não devo adotar uma ideologia de esquerda por uma série de motivos elencados por ele num comentário em uma das postagens na qual ele associava o marxismo ao satanismo, à defesa do aborto, ao homossexualismo entre outros absurdos.  O cara  falou tanta besteira junta que ficou até difícil contra argumentar. Mas aí eu resolvi  simplificar pra ele.

A esquerda segue dois princípios fundamentais: a luta pela liberdade do indivíduo e o combate à miséria dos trabalhadores. A ideologia de esquerda é politica e não religião. A ideologia da esquerda não prega satanismo e nem a adoração a um Deus, pois sendo o princípio da esquerda a liberdade a esquerda,  enquanto governo,  respeita esse princípio da liberdade, pois a esquerda desvestida de preconceitos e discriminação sabe que a sociedade é  plural e seus segmentos (tento seculares quanto religiosos) tem  que lutar para que seus valores e ponto de vista sejam respeitados de acordo com a convicção de cada segmento da sociedade, e um governo de esquerda não impõe qualquer restrição às peculiaridades de cada segmento social e nunca age  em prejuízo de qualquer que seja o segmento social. 

Hoje no panorama político existem uma quantidade considerável de cristãos que defendem a forma de governo do grupo da esquerda, que vão de desde pessoas mais simples até  pessoas portadoras de conhecimento elevado. Eu não preciso rever o meu conceito cristão por que  o lado ideológico que atuo na politica é o que mais se aproxima dos ideais cristãos básicos que é a liberdade e respeito aos oprimidos e desamparados.

Esse negócio de ateísmo, satanismo, aborto, homossexualismo usado como  argumento por meu amigo bolsominion  serve apenas para estabelecer o terrorismo em relação à esquerda, já que é na ala do pessoal da direita que realmente vemos com mais intensidade essas práticas citadas pelo anti Lula  querendo imputá-la com sendo praticas exclusivas de gente da esquerda.

Pois bem, o anti Lula se acha no direito de ser  ativista do movimento homofóbico, escolhendo assim, combater o homossexualismo, eu por meu lado resolvi respeitar o direito do cara ser viado. Ele  decidiu ser um ativista contra o aborto, tudo bem, eu escolhi respeitar a vontade de quem quer fazer aborto. Mesmo não aceitando como normal o homossexualismo e mesmo sendo contra o aborto. Esse é um princípio cristão chamado de tolerância. 

Ou será que o bolsominion  acredita que pode haver um governo humano que extermine por decreto o homossexualismo e as pessoas que praticam o aborto?

domingo, 1 de outubro de 2017

UMA CIDADE COM UMA ESTRADA NO MEIO

Uma Rodovia no meio de uma cidade na fronteira do norte do Brasil

Vinda do sul maravilha
Bélem-Brasília, bela e moderna trilha
de peões e caminhoneiros,
 gente boa e trapaceiros


WALQUER CARNEIRO


Essa estrada que passa, passará para sempre, trazendo o progresso como nova semente. Povos de outras paragens por aqui foram chegando, fazendas foi se fazendo, e plantas vindas de longe no solo fértil crescendo. Dom Eliseu, cidade de sonho lindo, do sonho que é meu, do sonho que é meu e seu.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

UMA ESQUINA DE DOM ELISEU

Trinta segundos de uma vista da minha cidade

Um centro comercial de Dom Eliseu,
na Praça do Mercado Municipal,
no pico do meio dia, o movimento
parado esperando o sol esfriar


WALQUER CARNEIRO