sábado, 5 de julho de 2014

# FORÇAS ANTAGÔNICAS DISPUTAM ESPAÇO #

O capitalismo se esconde, o socialismo se revela

O projeto capitalista é nefasto e prevê
que o planeta seja habitado por
seres humanos selecionados enquanto
o socialismo foca a natureza sem distinção


WALQUER CARNEIRO

Não há nenhuma semelhança entre capitalismo e comunismo. Começando pela ausência  de peças teóricas compostas por pensadores capitalistas que explicite o que é capitalismo, qual é o seu modo de operar e seus objetivos. Tudo no conceito capitalista é oculto  justamente por sua característica nefasta.

Tanto que Hitler foi a figura usada pelas forças ocultas do capitalismo para tentar efetivar a despopulação planetária, que é o principal projeto dos capitalista, ter o planeta para apenas 500 milhões de pessoas geneticamente selecionadas.

Enquanto  o comunismo é o conceito que desvenda toda as formas que são engendradas as estratégias capitalistas para subjugar a maior quantidade de pessoas possíveis para executarem trabalhos forçados para esses 500 milhões selecionados.

O conceito comunista ainda descreve todas as forma e estratégias que o proletariado deve usar para anular o projeto nefasto das forças capitalistas.

 A ascensão de Hitler foi apenas um esforço desesperado das forças ocultas capitalistas em tentar dizimar o excedente proletário antes que o mundo todo tomasse conhecimento dos conceitos comunistas contidos no Capital de Carl Marx. 

# CONSOLIDANDO O SOCIALISMO NO BRASIL #

O Brasil, e um novo ciclo de transformações para  o povo

Esse modelo socialista  está se
aprofundando mais a partir do mandato
da presidente Dilma e pode se alargar mais
com a possibilidade  real dela ser reeleita


WALQUER CARNEIRO

O Brasil vive um momento de plena liberdade onde variados grupos sociais disputam seu espaço,  de acordo com  regras eleitorais e econômicas vigentes. O projeto que está prevalecendo é o proto socialismo progressista que está tomando o lugar do projeto do neoliberalismo conservador.
O socialismo é forma de governo que mais se adapta às necessidades naturais do ser humano moderno.

Até mesmo os Estados Unidos, berço do capitalismo moderno, está reestruturando as suas instituições  e sua sociedade no sentido de socializar seu sistema de governo.
O socialismo é o sistema que vivemos nos últimos doze anos, e  que vem testando a estratégia de distribuição de renda baseada na criação de emprego através de projetos estruturantes que erguem obras fundamentais para a nação.

No Brasil já estamos no meio do processo socializante do nosso sistema político e econômico;  ao mesmo tempo que grupos conservadores querem retroceder ao sistema do capitalismo selvagem, concentrador e mortífero.

Capitalistas ligados a sociedade fechadas como os financistas, alto empresariado e proprietários de imóveis, entre outros que se denominam livres pensadores que formam a pequena e média burguesia,  defendem um sistema onde tudo é direcionado para as famílias tradicionais da formação do Brasil ou do local onde vivem. Para esses grupos o povo é apenas força física descartável para sustentar  seus projetos exploratórios.

O projeto de um governo socialista começou a  ser  posto em prática a partir de 2003 com o primeiro governo Lula, período que desde então vemos um esforço gigantesco para incluir como  protagonistas as camadas sociais que antes eram esquecidas e simplesmente exploradas. Esse modelo está se aprofundando mais a partir do mandato da presidente Dilma.

Com a possibilidade real dela ser reeleita esse projeto socialista e includente tende a se consolidar definitivamente,  e isso está fazendo com que as forças conservadoras, que controlam o sistema judiciário, tentem cavar uma crise institucional com o apoio maciço da grande mídia que difunde um terrorismo baseado em inverdades e fantasias que são massificadas dia a dia como reais num processo orquestrado entre as redes de televisões, grandes jornais e revistas impressos.