quarta-feira, 19 de agosto de 2015

# ENTENDENDO O PROPÓSITO DAS MANIFESTAÇÕES #


Levante da aristocracia, fúria da burguesia e os interesses da classe alta


A aristocracia quer interromper
o ciclo de governo popular e democrático
desestabilizando o andamento do processo de
evolução que benefício dos trabalhadores


 WALQUER CARNEIRO


Nas duas  manifestações realizadas nos últimos meses não se viu sequer uma pauta que levasse a uma discussão séria  para problemas seculares que afligem a maioria dos trabalhadores assalariados do Brasil. A totalidade das pessoas que participaram das recentes manifestações fazem parte das classes mais abastadas do Brasil que nunca sentiram falta das  necessidades básicas que a maioria do povo brasileiro é carente.   

A pauta principal dos manifestantes foi o pedido da retirada a força de Dilma da presidência,  a prisão de Lula, sendo que a pauta da corrupção foi apresentada de forma difusa alegando que os responsáveis pela corrupção no Brasil são Lula e Dilma.
Não existe sequer um único crime cometido  para que a burguesia peça a retirada da Presidente Dilma do exercício da sua função ou que justifique a prisão de Lula. As únicas razões  para que a burguesia continue saindo às rua em manifestações é o direito de   exercerem a democracia manifestando-se a respeito do que quiserem, e a outra razão para que a burguesia continue com as manifestações de rua   é a quarta derrota eleitoral imposta pelas forças democráticas e populares e socialistas que reelegeram Dilma e recusaram mais uma vez a eleição de um representante da aristocracia.

Essa derrota política da aristocracia é algo inédito na história do Brasil, pois a aristocracia junto com a burguesia nacional sempre manobraram  para que os trabalhadores não tivessem um representante na administração central, em todos os tempos da história republicana brasileira a nação sempre foi administrada por indivíduos da aristocracia ou burgueses,  amparados pelo sistema aristocrático,  que vinham ignorando o povo trabalhador e a classe proletária como força fundamental na construção da nossa pátria.

Sem medo de estar sendo injusto ou equivocado, mas essas duas últimas mobilizações eram compostas por mais de 80% de gente da classe média alta para cima que foram mobilizadas pela força do poder da  aristocracia nacional, que  é quem sustenta, há séculos,  todo o sistema da rede de corrupção que permeia toda a nossa sociedade, sendo que essa rede de corrupção foi montada justamente para manter os privilégios   da aristocracia subtraindo para eles,  de forma fraudulenta,  as riquezas nacionais que é de direito de todos os brasileiros.

A aristocracia nacional só conseguiu sustentar em funcionamento essa rede de corrupção porque o sistema aristocrático vinha suprimindo o livre exercício da democracia para a totalidade dos brasileiros impedindo que setores populares e comprometidos com a soberania nacional chegassem à administração central do Brasil, pois a aristocracia nacional tem a plena consciência de que um governo popular jamais permitirá a continuação e a manutenção da rede secular de corrupção brasileira.

Com a eleição e reeleição de Lula e Dilma os trabalhadores assalariados e os informais de todo o Brasil foram postos na pauta das políticas públicas do governo federal, isso nunca havia sido feito antes e para fazer isso  foi  necessário montar um plano de combate a corrupção, e é isso que o PT com Lula e Dilma vem fazendo. E assim mais de 30 milhões de brasileiros que nunca tiveram acesso a moradia digna, a vagas nas universidades, vagas na educação infantil para os filhos, valorização real do salário mínimo acima da inflação, controle efetivo da inflação que hoje é a média  mais baixa em comparação com o governo FHC e Lula, além de que os juros são a metade do que nos tempos da administração dos Tucanos nos anos 90. Tudo isso e muito mais coroado com a criação de ferramentas e mecanismos de combate essencial da corrupção que está sendo posto em prática hoje, cujas medidas não foram tomadas no passado por omissão e cumplicidade dos governos com a corrupção.

É certo que, por uma série de motivos existem dificuldades na condução das políticas públicas do atual governo. Uma dessas dificuldades é justamente imposta pelo embate político a partir do congresso nacional com ações de setores oposicionistas inflados pela adesão de setores aliados que se rebelam em decorrência de interesses oportunistas e de cunho obscuros. Além de que há a interferência da crise global que afeta a economia nacional, mas essas questões,  podem, e,  estão sendo equacionadas a medida que o governo avança no diálogo e nos ajustes econômicos. Essas seriam pautas justas e legitimas para serem levadas nas manifestações aonde as liderança politicas poderiam usar os trios elétricos para apresentar alternativas para reforma política e aplicação de um outro modelo econômico, e a partir daí continuar a mobilizar sua militância para garantir a eleição do candidato a presidente em 2018, mas o que a aristocracia quer e interromper o ciclo de governo popular e democrático desestabilizando o andamento do processo de evolução  em benefício dos trabalhadores.

As manifestações, sejam elas dos setores mais abastados como vimos dia 16, ou mesmo de setores populares e classistas,  são totalmente legitimas. O que não é legitimo é a forma agressiva, desrespeitosa e violenta  que estão sendo conduzidas essas manifestações que pedem a interrupção do mandato de Dilma apenas por que a aristocracia e a burguesia não aceitam a quarta derrota consecutiva nas urnas numa disputa totalmente legal e democrática. 

# A ACORDAR PARA A VERDADE ENCOBERTA #

Temos  que acordar. A aristocracia brasileira, que controla todo o sistema de mídia, está difundindo a desinformação, distorcendo fatos com objetivos eminentemente politico. Respeito o  posicionamento de todos, mas  temos que   procurar analisar a avaliar a atual situação mais a fundo e não levar apenas em consideração o que diz o cartel midiático que representa apenas a ideia e vontade das elites e não dos trabalhadores como eu e você.

Eu não afirmei que está tudo bem, o que disse é que há, por parte do povo,  uma percepção exagerada da situação que é  amplificada pelo cartel midiático. Pessoas ao nossa redor, na escola e no trabalho  difundem opiniões a partir do que escuta e lê nos meios de comunicação do cartel midiático que representam apenas os interesses da aristocracia contra os trabalhadores.

# RASGANDO A ATA DA LEGALIDADE #

A nossa juventude não conhece a história...Desconhece que, em média, de trinta em trinta anos, a aristocracia provoca uma quebra de institucionalidade por não ter a moral de ganhar a simpatia da classe proletária nas disputas eleitorais. Os velhos conservadores sabem disso, mas a desonestidade intelectual desses permite que seja rasgada a ata da legalidade democrática por interesse da aristocracia contra os direitos dos trabalhadores proletários.