quarta-feira, 1 de junho de 2016

# O PECADO E O PERFUME #

O poder da essência da  palavra na mente do ser humano

Um perfume famoso esconde
o significado mais profundo das
consequências da quebra
das regras morais e espirituais 

WALQUER CARNEIRO


Toda palavra emite um conceito completo que é formado em nossa mente quando decodificamos os fonemas em suas silabas.

Conhecer o significado de uma palavra é muito importante,  porque uma palavra não existe em vão. A palavra pecado, por exemplo, a primeira vista ela ilustra praticas que vão contras as regras e convenções religiosas.  Na sua raiz do latim a palavra pecar significa cometer uma falta, ou tropeçar; na sua raiz hebraica significa errar a marca do alvo.  

Sendo assim não podemos confiar plenamente numa palavra  à primeira vista, pois  no interior das palavras existem armadilhas.

Veja, por exemplo, esse outro significado para  a Pecado,  essa de raiz hebraica , é Avon, (עָוֹן – perversão), geralmente traduzido como ‘vaidade’ outras vezes ‘iniquidade’ em nossas Bíblias.

Digo isso por que cresci vendo as mulheres ao meu derredor folheando as revistinhas da Avon; de olhos brilhando anotando quais e quais produtos de perversão iriam levar para dentro de seus lares, e hoje quando se pronuncia Avon essa palavra praticamente é sinônimo de perfume e cosméticos, sendo que perfume é um produto criado justamente com o propósito de provocar e enganar de forma, de forma pervertida, os sentidos das pessoas ao redor;  o equivalente a perfume em latim é  per fumum,  cujo significado em latim é “por entre a fumaça”, e assim  o termo passou a ser usado pelos humanos primitivo que queimavam ervas aromáticas com o propósito de agradar à divindade por terem cometido alguma ação que eles acreditavam ter desagradado a divindade em questão.

Sendo assim podemos entender que pecado e perfume são duas palavras que se entrelaçam no inconsciente humano,  bem lá no interior de seus significados quando colocados no contexto da epopeia humana na relação com a divindade através das eras. Pecado e perfume são duas palavras  que em seus devidos significados passam  mensagens sensoriais que atuam como chaves mentais  que ligam  receptores  levando a meditar nos propósitos ou nas consequências   mais profunda das palavras.

Nos casos em questão pecado aponta para a consequência da  transgressão e perfume aponta para a ação de um engodo com a finalidade de anular o pecado; e vejam só como são as coisas, além de atrair a atenção do outro com uma tapeação usa-se  o perfume,  também,  com o escopo de disfarçar  odores indesejáveis  para que se possa atingir um determinado objetivo ou alvo.

Em resumo o perfume é um engodo na intenção de anular o pecado; sendo que essas palavras não  estão no vernáculo à toa, assim como todas as demais palavras que a raça humana usa diariamente. Todas tem um significado com um propósito definido que influenciam diretamente os indivíduos nas práticas de suas ações; e bem sabia disso o ministro da propaganda de Hitler,  e sabem  os cabeças redatores das empresas de propaganda e telecomunicação.  

Um comentário:

  1. Meu caro amigo...
    teu texto é muitíssimo bem escrito. Usaste palavras para falar sobre duas palavras associando-as a um mesmo contexto. Lamento dicordar de ti uma vez que "pecado" está no campo metafísico e é subjetivo demais para ser artefato, acessório. Enquanto que perfume é concreto, objetivo, reto e ainda que seja seja usado com o proósitos diversos, mas basicamente, ocultar o próprio cheiro; atrair, amenizar feromônios - ele não é vilão.
    Somos só seres em busca de sensações agradáveis a agradar ao próximo. Não usamos maquiagem ou perfume como máscara para o mal; mas ilustramos aspectos que nossa vaidade solicita sem agredir ou macular ao outro.

    ResponderExcluir