domingo, 2 de dezembro de 2012

# CONFUSÃO, CONFRONTO E TIROS NA RUA #

População se reúne e protesta contra o Ibama 

De acordo com as lideranças a
presença do Ibama na cidade
está causando graves prejuízos
às atividades econômicas

WALQUER CARNEIRO


Neste domingo (2), pela manhã um grupo de pessoas, trabalhadores de diversas categorias se reuniram em manifestação contra a atuação da fiscalização em Dom Eliseu. As pessoas começaram a se concentrar na Avenida JK por volta das 07:00 horas em frente ao hotel onde a equipe do Ibama está concentrada. A força de segurança pública do município foi requisitada e guarnições da Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal compareceram ao local para garantir a ordem e a segurança. 

Mais de 300 pessoas atenderam à convocação das lideranças do movimento formada por representante do setor madeireiro, carvoeiro, pecuarista e agricultura que exigiam a retirada imediata da equipe do Ibama para fora do município. 

De acordo com as lideranças a presença do Ibama na cidade está causando graves prejuízos às atividades econômicas locais, prejudicando setores que geram emprego e renda no município. 

Por volta das 10:00 horas os ânimos começaram a ficar exaltados, os manifestantes atearam fogo em um monte de pneus e ameaçaram invadir as dependências do hotel obrigando a polícia a agir com força e energia, e para conter os ânimos da turba enfurecida foi necessário disparar diversos tiros para o ar. 

Autoridades do município começaram a chegar ao local por volta das 11:00 horas quando foi notada a presença do secretário municipal do meio ambiente Edilberto Poggi, o vereador Genilson Cavalcante e o vice-prefeito eleito Silon da Gama e um advogado representando as lideranças dos manifestantes que se reuniram a portas trancadas com representantes da equipe do Ibama para negociar a retirada das pessoas do local e entrar num acordo com a forma de atuação do Ibama no município. 

De acordo com um dos líderes da manifestação foi feito um acordo onde apresentou-se a proposta de se fazer ajuste de conduta cujos termos será apresentado pelo governo municipal, mas de acordo com o líder esse acordo não pode demorar muito. “A gente quer que se apresse esse acordo para que as pessoas possam voltar a trabalhar”, disse ele acrescentando que o representante do Ibama se comprometeu a liberar os caminhões e as máquinas que foram apreendidos durante a operação. “Tudo isso foi negociado. Já há uma evolução no diálogo”, finalizou.


Para ter os veículos e as máquinas de volta os proprietários terão que entrar com uma solicitação de reintegração de posse junto ao Ibama. 

A equipe do Ibama está em Dom Eliseu para fiscalizar o desmatamento que não tem documentação dos órgãos ambientais para serem executados, e de acordo com o secretário de meio municipal de meio ambiente os fiscais irão continuar a fiscalizar desmatamento. “A fiscalização contra o desmatamento vai continuar e quem está irregular vai ter que se regularizar para trabalhar com tranquilidade”, disse Edilberto. 

O termo de ajuste de conduta será emitido pelo Ministério Público Federal junto com o Ibama, governo do estado do Pará e municípios verdes para amenizar a situação e dar condições mínimas de trabalho.

4 comentários:

  1. olha na FOLHA DE SÃO PAULO IBAMA em dom eliseu a mentira é tão grande que dizem que mantiverais os pessoal do ibama por tres hora e os madereiro estavam fortimente armados. uma pura mentira pois quem estavam atirrando por todos os lados eram os policias e agora se fingem de bonzinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é...As informações da Folha de São Paulo foram repassadas pela Assessoria de Comunicação do IBAMA, e aí eles contam a história do jeito deles...

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Pois é...As informações da Folha de São Paulo foram repassadas pela Assessoria de Comunicação do IBAMA, e aí eles contam a história do jeito deles...

    ResponderExcluir