segunda-feira, 6 de agosto de 2012

PARÁ ESTADO VIOLÊNCIA

Professores em Belém sofrem violência e um morre 

O Sintepp registra atos de 
violência contra professores e 
denuncia o descaso dos estado 
com a segurança pública 

FONTE - SINTEPP 

Comunicamos aos companheiros/as e amigos, que o professor Marcos Bastos (Marcão) do município de Castanhal, foi encontrado morto na própria casa. Infelizmente mais um cidadão e militante aguerrido não lutará mais em nosso meio. O SINTEPP lamenta a crueldade e repudia o descaso e a falta de segurança pública instalada em nosso estado. 

Desde a última sexta-feira (20) o camarada Ivan Serra Diniz está desaparecido na ilha de Algodoal. Amigos, moradores, familiares e companheiros do SINTEPP acompanham de perto as buscas. A dor é grande, pois, completaram 7 dias e se quer noticias de nosso companheiro cabano. A pedido do SINTEPP, a Policia Militar faz uma varredura por terra na referida vila e na Vila de Fortalezinha e por toda a orla da praia. Vários dirigentes do SINTEPP e militantes da Juventude da APS deslocaram-se para acompanhar as buscas. A policia trabalha com as hipóteses de afogamento e homicídio, mas todos nós queremos acreditar que Ivan continua vivo. 

À família do professor Marcão nossos sentimentos, continuaremos lutando pelos mesmos ideais. 

Aos camaradas que permanecem na ilha de algodoal em busca de Ivan, temos orgulho desse companheirismo incansável. 

A VIOLÊNCIA CAMPEIA NO ESTADO 

Casos semelhantes estão constantemente estampados em jornais e sites de notícia do mundo. Em janeiro deste ano, a ONG mexicana Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Penal divulgou pesquisa das 50 cidades mais violentas do mundo, dentre elas Belém está em 10º lugar deste vergonhoso ranking. Segundo os pesquisadores em Belém a taxa é de 78.08 homicídios para cada 100 mil habitantes. 

Das 50 cidades apontadas como as mais violentas do mundo, além das 14 brasileiras, 12 estão no México e cinco na Colômbia. O estudo analisou todas as cidades do mundo com mais de 300 mil habitantes que possuam informações estatísticas sobre homicídios. 

Os dados são alarmantes e nossas autoridades precisam ter o compromisso de reverter esse cenário. Homens, mulheres, jovens e crianças não se sentem seguros nem mesmo dentro de casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário