terça-feira, 3 de julho de 2012

PREFEITURA NÃO PAGA O PISO SALARIAL

Sintepp decreta estado de greve e exige adequação salarial

Professores não receberam nenhum 
sinal positivo da prefeitura no sentido 
de  honrar o novo valor para o 
salário dos trabalhadores em educação

WALQUER CARNEIRO

Na  assembleia os professores decidiram que  se,  em agosto,  não for feita a adequação salarial haverá greve
Sinal amarelo para a secretaria municipal de educação de Dom Eliseu avisando ao prefeito Joaquim Nogueira Neto que a capacidade de distensão do Sintepp de Dom Eliseu está chegando ao seu ponto de ruptura em relação a negociação do pagamento do piso salarial dos professores em Dom Eliseu.

Em assembleia no dia 1 (domingo) a coordenação local do Sintepp juntamente com filiados decidiram que durante todo este mês de julho a categoria estará em estado de greve, significando que a categoria já está efetuando ações no intuito de informar as instituições públicas e a sociedade civil de de Dom Eliseu que a negociação da categoria com a administração municipal para  a adequação do salário dos professores ao piso salarial não surtiu resultados efetivos,  já que não há nenhuma segurança que será inserido no contracheque do mês de julho a porcentagem de 22, 22% a mais para os professores da rede pública municipal de ensino elevando o salário dos professores para  R$ 1.451.

O estado de greve é um alerta para as autoridades municipais de que algo não vai bem na relação trabalhista entre os professores e a administração municipal, e a partir daí o Sintepp passa a comunicar oficialmente às instituições públicas e a sociedade civil organizada que se o problema posto não for solucionado a categoria promoverá um período de greve na educação pública municipal. 

De acordo com informações do Sintepp o estado de greve se prolongará até o mês de agosto, quando sai o pagamento do salário referente ao mês de julho, e se nesta data não constar a inclusão do novo piso salarial os professores irão decretar greve geral da categoria. 

O piso salarial é lei, e por isso os municípios têm a obrigação de pagar aos professores os valores instituídos pelo Ministério da Educação que é baseado na realidade educacional local, sendo que o Ministério da Educação  recebe as informações das secretarias de educação dos municípios,  diante  do que é efetuado o repasse do FUNDEB - Fundo para o Desenvolvimento da Educação Básica - ,  onde está inserido também os valores para a adequação do piso salarial. 

No caso de Dom Eliseu parece que existe algumas irregularidades que está onerando  a folha de pagamento que em mais de R$ - 100 mil, que é quase o valor da porcentagem para a adequação do piso salarial local. 

2 comentários:

  1. será que todos vão parar,mesmo???

    ResponderExcluir
  2. Certamamente não meu caro, pois infeizmente preferem ficar como você, se escondendo e deixando de cobrar o que é seu de direito. A greve não é para cobrar o que é dos outros, mas para cobrar o que é nosso de direito. Portanto, se pararem 10, 20, 30 ....100, esses estarão exigindo simplesmente que se cumpra o que determina a lei.

    ResponderExcluir