domingo, 29 de janeiro de 2012

CORRUPÇÃO PÚBLICA

Corrupção contamina as casas legislativas paraense

Enquanto o povo paraense
permitir prosperará as falcatruas
e desvios de dinheiro público
nos parlamentos do estado

ADM. DO BLOG



É terrível constatar o grau de desfaçatez que se vê nos grupos políticos, que verdadeiramente teriam que cuidar bem dos  bens e recursos públicos em benefício do povo, mas, muito ao contrário, se aproveitam de seus cargos para aumentar o valor de suas contas bancárias. E  pior é quando vemos que o povo,  principal prejudicado com a corrupção no sistema público de governo,  não consegue fazer a sua parte em se indignar e exigir mais honestidade daqueles que são pagos para cuidar do que é nosso.   

Para você ter como exemplo,  aqui no Pará foi descoberto um esquema de fraudes na Assembléia Legislativa do Pará, onde um  grupo de pessoas estão ligadas ao escândalo de desvio de recursos públicos da folha de pagamento da  Assembléia Legislativa do Pará – ALEPA – . O grupo que  foi indiciado  pelo Ministério Público Estadual – MPE é  composto  por 16 pessoas,  supostamente, liderado pelo Senador Mario Couto, que hoje  representa o estado do Pará no congresso nacional.  Na época em que foram detectados os indícios de fraudes Couto era presidente da ALEPA.  

O golpe consistia basicamente em efetuar alterações para mais na folha de pagamento e falsificação de licitações da casa de leis, que  de 2000 até 2010 que conseguiu desviar  R$-2.387.851,81 – . Esse já é justificativa suficiente para que toda a população paraense se levante em protestos exigindo a punição severa à aqueles que colaboram para a manutenção da miséria e da pobreza no território paraense.   

Umas das provas da falcatrua é a disparidade entre as folhas de pagamento dos arquivos da ALEPA e a cópia arquivada no Banpará,  que é quem paga os holerites da assembléia. As despesas eram justificas por funcionários fantasmas e estagiários  que recebiam como contratado.

A rede de corrupção montada dentro da Alepa só foi descoberta pelo empenho dos promotores de justiça Nelson Medrado e Arnaldo Azevedo, que possibilitou o inicio das investigações, através da qual foi constatada a que  fraude veio a público no dia 19 de abril de 2011.

Esse esquema de corrupção flagrado na ALEPA também é replicado nas câmaras de vereadores nos municípios do interior do estado. Para você ter uma idéia, em uma cidade com 51 mil habitantes o recurso para bancar as despesas da casa legislativa girem em torno de 120 mil reais por mês. Esse valor é repassado ao legislativo pelas prefeituras e nunca são fiscalizados pelo povo.  De acordo com analistas do sistema público cerca de 30% destes recursos mensais são desviados para fins que não poderiam ser contabilizados como despesas oficiais da casa. 

Um comentário:

  1. Eles devem pensar assim,"o povo que se lasque" Não é a toa que o pará está assim um pouco meio atrasado em relação ao resto do Brasil.O cidadão honesto ,seja ele pobre ou rico trabalha muito,paga meio mundo de impostos. para essa FALANGE fazer o que está fazendo. O dinheiro usurpado resoveria muitos problemas sociais do nosso estado; a ex.: um dos menores indicis de saneamento publico do país,esgoto aqui em Dom Eliseu e zero e no resto do estado tambem; falta de "pespectiva" de vida dos jovens( estudo decente e diguino e trabalho). Tomara que todos vão para cadeia, por sinal uma das piores do Brasil. Abraços do cidadão indiguinado; Se ofendi alguem me descupa. E que Deus os perdoem. porque o cidadão honesto que paga dezenas de impostos, esse eu acho que não perdoa ,cadeia neles.

    ResponderExcluir