domingo, 10 de julho de 2011

CONCRETA POESIA DE CABRAL

João Cabral de Melo Neto transformou a poesia em pedra

Eu descobri João Cabral já tarde na vida,
me espantei logo que li, e
todas as vezes que o leio
me surpreendo ainda mais

WALQUER CARNEIRO


O pensamento transformado em palavras é algo, assim, como mágica transcendendo o imaginável e, por mais que possa parecer contraditório, torna real a imaginação. Quando a palavra se torna poesia aí então não há como descrever a sensação que flui no sentimento, e isso fica muito evidente na poesia do grande poeta brasileiro João Cabral de Melo Neto que entregou sua poesia aos apelos do concretismo.
A poesia é transmissão da emoção na forma compacta, e os poemas de João Cabral entram na alma explode e se expande causando uma espécie de overdose delirante, e diante desta constatação eu então compus  um poema em homenagem a esse gigante da poesia concreta. 

DE JOÃO SEVERINA E A FACA


Um homem das letras João
Cabral de Melo Neto entrou
Nas brumas do inconsciente e
Bramou bravo episódio da vida
Bruta em poema tenso, negro
Real, sobrenatural e inquieto.

Na luta destino lavrador Severino
Desfiou-se rústico rosário de
Dor vivida sofrida  alma penada
E mesmo que viva era morta
Sobre a seca terra que lavrava
Com enxada idílico fadário

Severino era a figura concreta
Saída da seca mente inquieta
Do João triste que se fez poeta
Pensador cruel da triste história
Infame e inglória trajetória
Denúncia pronta somente.

Cabral que de uma lâmina só
Faca sentiu afiada imaginação
Fluída e sólida rima de espinhos
Rasgando espírito que estéril
É bainha para versos sempre frios
Segurando no solo idéia alada.

Qual poeta procurou compor
Palavras pesadas puras pedras
Que pesa na alma como fina faca
Cortando o lirismo plangente ?
Só João poderia sê-lo e, entretanto
Afiar a dor de letras bem amadas.

Dos poemas de Cabral apesar de
Mostrar-se duro como morte                     
Severina feita para faca bainha
Fica claro nas entrelinhas fonte
De vida jorrando entre as pedras
Puras indicando para o futuro. 

EM TEMPO:
Para ler João Cabral de Melo Neto clique AQUI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário