sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

RECORDE DE EMPREGO


Lula ultrapassa compromisso assumido

Criar empregos para
garantir a cidadania e tirar
o trabalhador do submundo
do sociedade foi meta cumprida
com louvor pelo governo Lula

WALQUER CARNEIRO

De acordo com informações contidas no CAGED - Cadastros Geral de Empregados e Desempregados – , em 2010 foram criados 2.524.678 de empregos formais, esses números foram além da meta 2,5 milhões prevista pelo governo federal.

A geração de emprego sempre foi uma das grandes preocupações do governo Lula, levando em conta que antes de 2000 ele insistentemente afirmava, reiteradamente,  que o país necessitava criar 10 milhões de emprego , e nos oito anos de mandato ele conseguiu provar que era possível atingir a meta para que a nação iniciasse uma era de ciclos virtuosos para, em duas décadas, tirar da condição de estagnação social a massa de trabalhadores desempregadas e na classe de subemprego.

Durante os oito anos de governo Lula registrou-se gradativamente um aumento na geração de emprego. De 2001 a 2003 foram 3.316,248 empregos, enquanto nos seis últimos anos do governo de Fernando Henrique  (1995 a 2000) foram criados 2.561.388 empregos, praticamente a mesma quantidade criado somente em 2010, último ano do governo Lula. Já o governo Lula no período de 2001 a 2006 criou 8.926.570.

O crescimento na oferta de emprego aconteceu em face das políticas sociais de transferência de renda que permitiu que a massa passasse a adquirir bens industrializados e consumir mais alimentos,  fazendo com que houvesse um aquecimento na produção que levou à necessidade de contratação nas  empresas, e em conseqüência foram criadas mais empresas de serviços e terceirização, enquanto o comércio varejista também passou a contratar, e além do crescimento das exportações a partir do momento que o governo passou a atrair parceiros comerciais da Ásia e da África e fortalecendo os laços comerciais com os vizinhos da América Latina,  num efeito cascata benéfico que levou o governo Lula a esse circulo virtuoso, mostrando o caminho para equacionar a questão da pobreza e da miséria no Brasil.   

O único setor que fechou no negativo nas contas de geração de emprego no último ano do governo Lula (2010) foi a agricultura com 2,5 mil empregos à menos, e isso por causa da mecanização do setor, porém a pesquisa do CAGED não computa a quantidade de colocações rurais criadas através da agricultura familiar em assentamentos e ocupações em decorrência do movimento da reforma agrária, principalmente na região norte.

Porém a certeza é que em 2010 o número de emprego com carteira assinada foi recorde de todos os tempos ultrapassando 2 milhões em um ano.

Um comentário:

  1. Ah, soe anda faltando o meu...Aff, tempo terminar a faculdade e ficar aver navios... Snif...Snif...Snif!!!

    Vamos pensar positivamente, só espero que a nossa presidenta faça o mesmo... Aiii tomara Walquer. Posso ficar sem emprego não. rs

    Abraços meu querido ótimo fim de semana pra ti, é um prazer tê-lo no meu blog.

    ResponderExcluir